Excel é realmente difícil?

Os-indicadores-de-linhas-e-colunas-do-Excel-sumiram-Excel-Descomplicado-730x410.jpg

Uma das maiores objeções de quem precisa ou deseja aprender Excel é enxergar esse novo aprendizado como uma barreira difícil de ser transpassada sem nem mesmo enxergar sua altura. Sabe por que isso acontece? Sabe por que simplesmente ouvir a palavra “Excel” faz o cérebro de muita gente relacionar o tema diretamente com algo difícil e complexo? Porque nossa cultura, durante vários anos, relacionou o nosso inocente programinha a cálculos complexos e a habilidades que só os “mais experientes” conseguem executar. E assim permaneceu.

Eu, como professor de informática (especialmente de Excel) e instrutor de um curso online de Excel, sei muito bem como isso funciona. Já vi muitas pessoas fazerem cara feia quando ouviam falar sobre o programa, já ouvi muitas pessoas dizendo “Ah, Edu, isso é complicado. Isso não é pra mim”. E sabe o que é mais curioso? A maioria delas nem tinha entrado em contato com o programa ainda! Como se pode dizer que algo é tão difícil dessa maneira? 😀

Antes de prosseguir, é claro que eu preciso fazer algumas ressalvas. O Excel é um programa tão completo que fica impossível enumerar a quantidade de coisas que você pode fazer com ele. Você pode utilizá-lo para a área financeira, econômica, pessoal, industrial, para o setor agrícola, de engenharia, pedagógico, para controle de produtos e serviços, para construir um plano de carreira, um projeto, uma lista de compras, um boletim escolar, uma agenda, um formulário de avaliação, um sistema de gerenciamento de dados, um banco de clientes, uma planilha orçamentária… São tantas coisas… 🙂 E é aí que mora a segunda objeção das pessoas: “eu não vou saber fazer tudo isso”. E quem disse que você precisa? Você não precisa ser um chef renomado para saber preparar um almoço ou um jantar, concorda comigo? Não é porque você não prepara “comidas chiques” que você não sabe cozinhar. Com o Excel acontece a mesma coisa: você não precisa aprender funções de trigonometria se você precisa do Excel para criar um fluxo de caixa. Você não precisa decorar um monte de fórmulas de engenharia se o seu foco é ter um controle de estoque da sua empresa ou da empresa onde você trabalha. Percebe como a dificuldade é criada em torno do buraco, e não propriamente no buraco? 😉

Antes de tudo, preciso definir meu foco para começar a aprender Excel?
Aí então você pode me perguntar: “Poxa, Edu, então para aprender Excel eu preciso antes definir o meu foco?”

Não. Tanto o chefe renomado quanto o simples cozinheiro do bom arroz e feijão têm sempre coisas em comum: ambos sabem cozinhar o arroz, ambos sabem temperar o feijão e ambos sabem usar o fogão. É aí que mora um dos segredos para perder o medo de aprender Excel: você precisa aprender o essencial, mas não necessariamente o que não lhe será útil. A dificuldade e o receio moram na imensidão, mas você não precisa da imensidão (pelo menos não para começar a aprender). Se, depois de aprender o essencial, você quiser explorar áreas mais específicas, fórmulas mais complexas e conteúdos mais avançados, é só apertar o cinto e ir embora! Depois que o carro já está na estrada, é só acelerar 😀

Assim como no aprendizado do Excel, o essencial é necessário em qualquer área. Seja para ser um escritor ou um matemático, você precisa aprender a ler e a escrever. Seja para ser um investidor ou para controlar a venda dos seus produtos, você precisa saber o mínimo de matemática. Bem, e qual é o mínimo de Excel? A resposta é simples: o suficiente para que você o domine e entenda seus conceitos. Com os conceitos em mente e as ferramentas dominadas, o progresso é só questão de tempo, foco e dedicação. Se você quer exemplos mais práticos, eu diria que o essencial de Excel é aprender sobre formatação, interpretação de erros, ajustes de impressão, fórmulas financeiras básicas, fórmulas condicionais, gráficos, filtros, organização e classificação de dados, referências, fórmulas de procura, operações matemáticas básicas, fórmulas de tempo, formatação condicional…

Excel parece difícil pra mim
Nossa! Isso parece difícil!

Se você achou esses nomes difíceis e se sentiu desanimado, então temos que falar sobre a terceira objeção de quem ainda acha Excel complicado: a metodologia errada. Isso, felizmente (e já já eu digo porque usei essa palavra) não é algo “seu”; esse problema é algo que permeia a maioria dos métodos de ensino de tecnologia, sejam presenciais ou online. Imagine só: o Excel já tem fama de ser um programa complicado, já existe toda aquela ansiedade relacionada ao domínio do programa (já que ele é considerado um dos programas mais requisitados em qualquer área de atuação), o aluno é levado a desembolsar um dinheiro absurdo para aprender (muitas vezes por necessidade iminente do mercado de trabalho), e, como se não bastasse, a metodologia do curso faz o aluno se sentir mais acuado e desmotivado. Por quê? Porque não se deve ensinar Magret de pato ao perfume de mel e especiarias para quem ainda não sabe preparar arroz e feijão 😉

Está aí o principal problema de quem não aprende Excel e um dos grandes motivos pelos quais ele é taxado de difícil: a maioria dos professores e materiais de estudo ensina conceitos complexos logo nas primeiras aulas! É claro que tem gente que “pega o conteúdo” com facilidade, mas nem todo mundo é assim. Há pessoas que sequer entendem com facilidade os conceitos básicos da informática, e elas também precisam aprender Excel. Aí já viu, né? O aluno já entra em um curso achando que o programa é difícil e acaba confirmando sua suposição. Então ele relata sua experiência para um, que conta para outro, que conta para mais dez e assim a fama de “programa só para experts” voa. Como professor, já ouvi tanto a frase “Nem sei o que é Excel, mas me disseram que é difícil” =D

A solução parece simples, não é mesmo? E é! Por isso mesmo eu disse que o problema da metodologia embaraçosa felizmente não tem nada a ver com você. A culpa é do método elaborado pelo instrutor responsável. Por que começar com conceitos complicados? Por que ensinar fórmulas nas primeiras aulas se alguns alunos ainda não sabem usar negrito e cor de preenchimento? Por que ensinar gráficos antes de orientar os alunos sobre ferramentas e organização das planilhas? Primeiro você aprende a dourar o alho pra depois aprender sobre o ponto de cozimento do seu arroz. É assim que funciona de verdade: um passo de cada vez, e sempre um após o outro. Não adianta também um passo de cada vez se o aluno tiver que pisar em um terreno diferente toda vez que for aprender algo novo. Não dá pra chegar no terreno vizinho com um passo só =D

Enquanto fui professor em uma escola de informática por quase quatro anos, pude perceber quais eram as dificuldades dos alunos que começavam a aprender Excel. É por isso que eu tenho tanta certeza do que estou falando pra você 🙂 Tive alunos desde oito até oitenta anos! Por mais que as idades divergissem tanto, o problema básico era sempre o mesmo: a metodologia usada na apresentação do programa. Como tínhamos um roteiro programado, com aulas e materiais preparados por uma equipe da matriz (já que a escola era uma franquia), tínhamos que “seguir o protocolo”. Eu não gostava muito desse protocolo, mas não me veja como um funcionário rebelde, ok? 😀 Não gostava por conta dessa metologia atropelada, que ensinava a comer antes de cozinhar. E também não gostava do pouco conteúdo disciplinar, por isso preparei dezenas de exercícios e materiais complementares para passar aos alunos. Não queria que eles saíssem de lá apenas com o básico do básico. No mercado de trabalho não funciona assim, e sabemos muito bem disso.

Meu principal foco no momento de elaborar esses materiais e conteúdos foi acrescentar conhecimento aos alunos e fazer com que eles se desfizessem dessa imagem complicada do Excel. E funcionou muito bem, tanto para os mais jovens quanto para os mais velhos! E creio que o principal motivo foi o uso da linguagem mais simplificada, sem encher os alunos de termos técnicos desnecessários. Também quis fazer dessa simplicidade a característica principal do método de ensino. Ainda mantínhamos o protocolo oficial da matriz, mas ganhei a liberdade para incrementar mudanças e adicionar esses conteúdos extras de uma maneira bem simples. Foi então que pensei: por que não adoto esse método para mim? A partir desse momento eu comecei a ter ideias para elaborar o Excel Descomplicado, que é meu curso online de nível básico e intermediário para quem quer aprender Excel do zero. Levei alguns meses até elaborar as ideias, preparar as aulas, materiais e fazer os ajustes necessários, justamente porque queria cumprir meu objetivo principal: desmistificar essa ideia de que Excel é um bicho-de-sete-cabeças, ideia essa, como eu disse anteriormente, muitas vezes alimentada pelos próprios cursos de Excel.

Será que Excel é necessário pra mim?
Ok, Excel então não é difícil. Mas é tão necessário assim PRA MIM?

Depende da importância que você dá a ele 🙂 O que a gente sabe hoje, por exemplo, é que Excel funciona mais ou menos como a “língua das empresas”. Não importa se elas usam sistema X, Y ou Z para gerenciar seus dados, clientes, documentos, etc. Todas elas podem fazer isso pelo Excel. Não é de hoje que ele é o queridinho das empresas 🙂 No entanto, não vamos nos focar apenas nesse lado relacionado ao mercado de trabalho; afinal de contas, você pode criar planilhas para controlar suas despesas pessoais, para criar suas listas de compras, para listar seus objetivos e traçar planos de negócios, para marcar os filmes que você deseja ver, para criar a agenda dos seus filhos nas férias, para controlar o quanto seu dinheiro tá rendendo, para criar o cardápio do seu barzinho (sim, é possível!), para controlar a quantidade de água que você bebe durante o dia… É como eu disse: depois que você aprende o essencial, as estradas estão todas livres pra você e o tanque está sempre cheio!

É claro que vale ressaltar sim a importância específica do Excel no mercado de trabalho, até porque ele se consolida como uma das maiores exigências para diversos cargos. Sabia que quem sabe Excel tende a ganhar mais? Esse programa é tão mágico que ele é capaz de diminuir seu trabalho e, consequentemente, seu tempo de serviço. Além do mais, ele é primordial para a organização de dados e para a automatização de muitas tarefas. Agora me responda: será mesmo que ele não é nem um pouco necessário pra você?

Não tenho tempo para aprender
Mas aprender Excel exige tempo, e tempo é uma coisa que eu não tenho

O dia de todos nós tem 24 horas, concorda? É muito improvável que você passe todas essas 24 horas apenas atrelado às suas obrigações, a não ser que você seja um robô =D

Aprender Excel leva tempo? Não vou mentir pra você. Leva sim. E o que não leva, não é mesmo? Mas você não precisa aprender tudo de uma vez. Se você começar hoje, amanhã estará melhor do que estaria se não tivesse começado hoje! Não dá pra aprender Excel em um piscar de olhos. Pra fazer isso, ou você é um autodidata incrível ou então vai esquecer alguns conceitos com o passar do tempo se não praticar com eficácia.

E o tempo de aprendizado tem alguma relação com a dificuldade? Claro que não! Até as coisas mais simples levam tempo. Como o Excel é um programa bastante completo, é necessário um conteúdo gradativo e cumulativo, além de revisões constantes (falo sobre isso no Excel Descomplicado também). Isso não significa que o conteúdo é difícil simplesmente por levar tempo. Se a gente escavar bem esse terreno, vamos encontrar mais uma objeção: “não começo a estudar porque não tenho tempo”. Na verdade, tudo depende da prioridade que você dá ao seu tempo 😀

Você não precisa passar duas horas por dia estudando Excel. Você pode estudar no seu tempo livre, nem que você só tenha alguns minutos. Você não precisa focar apenas nas aulas, pode estudar também pelos seus materiais. Você pode trocar aqueles minutinhos na TV por uma aula, ou aquela sonequinha por um exercício. Você será recompensando 🙂 Você só não pode perder completamente seu momento de lazer, porque aprender alguma coisa totalmente estressado ou fora de conexão não funciona.

Viu como essa dificuldade e todos esses impasses que impuseram sobre o Excel são só um mito?

Como evitar os métodos que não funcionam
Edu, como evitar então os métodos que não funcionam?

Agora que você viu que o problema principal relacionado à aprendizagem do Excel é a metodologia, você deve estar se perguntando: como fugir da metodologia errada? Como eu disse, a adaptação à metodologia varia de pessoa pra pessoa, mas eu defendo a tese de que devemos começar sempre pelo arroz e feijão para depois chegar no Magret de pato ao perfume de mel e especiarias. Por mais que haja alunos “um pouco entendidos”, qualquer curso deve começar sempre pelos princípios básicos. Primeiro você deve entender o programa para, só depois, começar a usá-lo de verdade. Primeiro você formata seus dados para depois automatizá-los. Isso é descomplicar o ensino 😉

Quando eu montei o Curso Excel Descomplicado eu me preocupei muito com essa didática porque eu vi, na prática, que ela funciona. Tanto é que o primeiro módulo do curso é focado apenas na compreensão do programa e na utilização de ferramentas de formatação. Só depois os alunos começam a ver fórmulas, gráficos e demais assuntos “funcionais”. Além disso, um dos pontos primordiais é o das atividades teóricas e principalmente práticas, porque a prática é o ponto essencial para se dominar o que quer que seja, não concorda? Não só a prática, como também a revisão constante. E não basta só a prática e a revisão: o aluno precisa saber se praticou corretamente. Por isso aulas de correção para todos os exercícios práticos, por exemplo, também configuram um quesito extremamente relevante. Creio que essas características quebram aquela famosa barreira do “não vou me lembrar disso depois”.

Um dos pontos também essenciais que você deve observar é a aplicação do que você aprende na sua vida. É claro que precisamos de exemplos para aprender a usar ferramentas e fórmulas, mas você precisa desenvolver uma certa capacidade intuitiva para aplicar o que você aprende às suas próprias necessidades. Afinal de contas, é pra isso que você precisa aprender, não é mesmo?

Será que aprendizado online realmente funciona?
Mas o aprendizado online funciona?

Já percebeu que hoje em dia todo mundo está online? E por que não aprender online? Essa também é uma das maiores barreiras encontradas por aqueles que desejam expandir seus conhecimentos: a falta de confiança em “métodos alternativos”. Eu não gosto muito desse termo porque não acho que um curso online é alternativo; muito pelo contrário: há cursos online por aí um milhão de vezes melhores que certos cursos presenciais.

Gosto muito de falar sobre cursos online porque eles ajudam a quebrar essa ideia de dificuldade em torno do Excel. Por exemplo, cursos online geralmente são mais em conta que os presenciais, se adaptam às suas necessidades, você controla quando e o quanto estuda, na maioria dos casos você pode interagir com o instrutor (e acho essa característica algo primordial), você garante o mesmo conteúdo que todos os outros alunos, atualizações de aulas, materiais complementares, muitas vezes acesso ilimitado e diversas outras características. Há cursos, como o Excel Descomplicado, por exemplo, que oferecem também garantia incondicional 😀

O pagamento é também outro fator importante, já que ele geralmente é processado por uma plataforma de pagamentos totalmente segura e independente do produtor. Isso garante privacidade e confiança, características essenciais para qualquer compra. O preço é um fator importante, já que ele não é tão abusivo quanto o preço de um curso presencial, e nem taxado em mensalidades. Ah, e como disse, você estuda quanto e quando quiser, sem depender da disponibilidade de horários de uma escola física, e sem se preocupar com faltas, reposições, feriados, transporte…

Pode nem parecer tanto assim, mas essas características contribuem muito para aliviar essa pressão que pode assustar alguém que está querendo dar os primeiros passos em Excel e tem receio de aprender. Quanto menos limitações, melhor!

Viu como a dificuldade é só questão de método? Com o método correto todo mundo é capaz de chegar lá! Aprender Excel exige, claro, determinação e prática. Tendo isso em mente e armado com um método eficaz, materiais eficientes, aulas metodologicamente elaboradas e simplicidade no ensino, você será capaz de preparar tanto um arroz com feijão quanto um Magret de pato 😉

Se você for do time fast food, pode usar o Excel para preparar uns hambúrgueres; se for vegano, dá pra fazer uma salada maravilhosa; se é do time dos doces, pode até sair um bolo colorido de umas seis camadas =D Tudo é questão de visão e objetivo.

E aí? Bora largar esse medo de lado pra começar a aprender Excel e mudar pra melhor? Ter a receita em mãos já é meio caminho andado 😀

Anúncios

Como criar modelos no Excel

Como-criar-modelos-no-Excel-Excel-Descomplicado-730x410.jpg

Criar modelos no Excel é um procedimento mais simples do que você imagina! Basta apenas alterar a extensão do arquivo no momento de salvá-lo. Mas preste atenção aos conceitos envolvidos nesse tema, porque um arquivo do tipo modelo comporta-se de forma diferente de um arquivo comum do Excel.

Caso você prefira o conteúdo desse post em vídeo, confira logo abaixo. Caso não, é só continuar a leitura 🙂

Neste post estou utilizando a versão 2016 do Excel, mas vale lembrar que você encontra essa opção também em versões anteriores, como 2013 e 2010.

Antes de qualquer coisa, você deve ter em mente o que é um modelo no Excel. Modelos são arquivos prontos, com campos e formatações predeterminados e que servem como base para a criação de outros arquivos. Por exemplo, você pode criar um modelo de planilha de cadastro de produtos e distribuí-lo pelas filiais de sua empresa. O “rascunho” será mantido. Todas as informações inseridas serão salvas em um novo arquivo criado a partir daquele. Deu pra entender? 🤔 No vídeo acima você consegue ter exemplos mais práticos de como isso funciona.

Vamos pegar uma planilha simples de cadastro como exemplo. Vamos supor que, por algum motivo, você queira que cada cliente cadastrado seja mostrado em uma planilha diferente. Este seria então o esboço:

Exemplo de planilha para ser usada como modelo

Enquanto você cria seu esboço, você pode salvar sua planilha normalmente como um arquivo comum do Excel (com extensão XLS ou XLSX). Assim que seu arquivo estiver pronto, é hora de criar o arquivo do tipo de modelo. Para isso, acesse o menu Arquivo e selecione a opção Salvar Como.

Acesse o menu Arquivo e escolha a opção Salvar Como

Na janela Salvar Como, antes de qualquer coisa, clique na opção para escolher o tipo de arquivo e selecione Modelo do Excel.

O tipo de arquivo deve ser Modelo do Excel

Eu disse “antes de qualquer coisa” porque, se você definir primeiramente o local de salvamento para depois escolher o tipo de arquivo, o Excel redirecionará o salvamento de sua planilha para uma pasta específica de modelos do programa. Portanto, escolha antes o tipo de arquivo e depois o local de salvamento e o nome que você dará ao seu modelo.

Lembre-se de que, caso sua planilha possua macros, você deve escolher a opção Modelo Habilitado para Macro do Excel. Caso você precise editar seu modelo em versões muito antigas do Excel e não quer ter problemas de compatibilidade, escolha Modelo do Excel 97-2003.

Depois do tipo de arquivo definido, o nome e o local de salvamento, basta salvar sua planilha. A extensão de um modelo do Excel é XLTX.

A partir de agora tudo o que você alterar ou acrescentar em sua planilha não será incluso nela. Assim que você clicar em Salvar, o Excel abrirá a janela Salvar Como para que você crie um novo arquivo baseado naquele. Dessa maneira, sua planilha que serve de modelo será mantida da mesma forma que você salvou.

Note também as diferenças entre os ícones de uma planilha comum e de um modelo. Veja como é simples identificá-los.

Diferenças entre os ícones de uma planilha comum e um modelo
É possível editar um modelo?

Sim. Para fazer isso, você pode abrir o modelo salvo, realizar as alterações necessárias e, em seguida, salvar esse arquivo novamente como modelo, criando para ele um nome diferente. Em seguida, se desejar, pode apagar o modelo anterior 😉

Rápido e simples, né? 😉 Se tiver qualquer dúvidas ou acréscimos a fazer sobre esse conteúdo, basta deixá-los nos comentários.

Excel e mercado de trabalho – O que você precisa aprender?

Excel-e-mercado-de-trabalho-O-que-você-precisa-aprender-730x410.jpg

Que Excel é um dos requisitos mais importantes no mercado de trabalho, disso ninguém tem dúvidas. Mas que nível de conhecimento é exigido para que alguém seja considerado qualificado a operar o programa?

O Excel, assim como outros programas do chamado pacote Office, como Word e PowerPoint, é um dos aplicativos com maior versatilidade existentes atualmente no ramo da tecnologia. Isso significa que sua utilidade não é voltada apenas para um ramo específico ou para atividades específicas. Você consegue usar Excel para atuar em diversas áreas do conhecimento, como matemática, engenharia, finanças, urbanismo, gastronomia, organização, estatística, educação, economia…

Como ele é um programa voltado para criar soluções automatizadas, ele não depende de um projeto pré-estabelecido ou de uma estrutura voltada para um fim específico, portanto, ele é útil para quem quer montar e imprimir uma simples lista de compras e também para quem quer montar um sistema gerenciador de estoques, cadastros e finanças de um restaurante, por exemplo.

Mas então como saber o nível exigido de Excel para o mercado de trabalho diante de tantas possibilidades?

Para ser bem sincero, isso depende muito do cargo que você pretende ocupar. Por exemplo, para um cargo relacionado à área de finanças de uma empresa, é natural que você saiba um pouco sobre fórmulas financeiras e gráficos. Para um cargo que exige muita criatividade, é natural que você conheça detalhes e macetes sobre formatações e organização de layout, por exemplo.

A boa notícia é que ninguém deve começar a aprender Excel focando-se primeiramente em uma área, porque seus conceitos iniciais e fundamentais são os mesmos seja para quem irá usá-lo no setor de Recursos Humanos de uma empresa ou para quem irá usá-lo no controle de sementes de uma fazenda. Daí podemos perceber que o mínimo exigido no mercado de trabalho é o conhecimento essencial, não necessariamente o específico.

E o que é considerado essencial em relação aos conhecimentos de Excel?

O essencial é aquilo que te propiciará conhecimento suficiente para entender os conceitos do programa, formatar os conteúdos corretamente e deduzir a melhor maneira de se chegar a um resultado e como incrementar esses resultados de forma automática. Como assim?

Presume-se que um bom entendedor de Excel saiba que há fórmulas que calculam descontos, em vez de tentar usar cálculos manuais. Também presume-se que ele saiba exibir esses resultados em um gráfico, que saiba gerar uma formatação que acompanhe as variações desses resultados, que saiba organizar os dados corretamente de acordo com a necessidade exigida na situação, que saiba agilizar seu trabalho através de ferramentas e atalhos que economizem o tempo usado diante do programa, dentre outros detalhes.

Em termos práticos, um bom entendedor de Excel deve conhecer os seguintes conceitos:

Formatação de conteúdo;
Formatação condicional;
Fórmulas matemáticas básicas (soma, subtração, divisão, multiplicação, radiciação, exponenciação, média, modo, mínimo, máximo…);
Números decimais e operações com números decimais;
Concatenação;
Gráficos e recursos de gráficos;
Elementos gráficos (imagens, formas e conteúdo sobreposto) e suas formatações;
Organização de dados;
Filtros e classificações especiais;
Extensões de arquivos e resolução de problemas de compatibilidade com outras versões;
Exportação de planilhas em outros formatos;
Fórmulas e estruturas condicionais;
Fórmulas de pesquisa e referência;
Atalhos;
Otimização de planilhas para impressão;
Porcentagem e operações com porcentagem;
Interpretação de erros;
Funções de tempo.

Parece complicado? 🤔 À primeira vista, para quem ainda não sabe mexer com Excel, pode até parecer, mas tudo é questão de estudo e bons métodos.

Tendo esse conhecimento acumulado, você pode, sem problema algum, inserir em seu currículo uma formação em Excel. Com essa base, é possível aprender qualquer coisa de forma muito mais rápida e simples! Há químicos que atuam na área de pesquisa, outros na área de cosméticos, outros na área de alimentação e outros em sala de aula. Entretanto, todos são formados em química, certo? O mesmo acontece quando você aprende Excel: a partir desse conhecimento adquirido e tendo uma visão intuitiva (explico mais sobre isso no artigo Excel é realmente difícil?), você consegue partir para qualquer conhecimento avançado e/ou específico em uma determinada área.

O meu grande conselho para você que pretende aprender Excel para obter uma qualificação apta para o mercado de trabalho é não focar apenas em uma área específica. Aprenda Excel livremente, absorvendo todos os conceitos básicos e necessários que devem ser adquiridos no início. Depois que você possuir essa formação, procure então uma formação específica, caso essa seja sua necessidade.

A notícia boa é que para grande parte das vagas disponíveis hoje relacionadas ao conhecimento de Excel (como secretários, atendentes, vendedores, estoquistas, auxiliares administrativos, entre outras), o conhecimento essencial (básico) em Excel já é suficiente, porque tudo o que é aprendido em um curso (se ele for realmente bom) já é o exigido por grande parte dessas vagas. Tarefas específicas podem ser aprendidas na própria empresa, de acordo com as necessidades e cultura delas, ou através de estudos relacionados a essas funções mais específicas, que se tornam muito mais fáceis depois que você adquire o conhecimento essencial.

Por mais que se diga por aí que Excel é um bicho-de-sete-cabeças, na verdade ele é mais simples do que a maioria das pessoas imagina, e continua (como continuará sendo) uma das maiores exigências no mercado de trabalho. E se você acha realmente que Excel é complicado, dê uma olhadinha nesse artigo aqui onde eu falo sobre essa falsa visão de dificuldade do Excel e como começar a aprendê-lo corretamente.

Soma no Excel Como fazer soma no Excel

índice.jpg

Nesta aula, você vai aprender passo a passo como usar a função soma no Excel.

O Excel é uma ferramenta que pode te auxiliar nas tarefas mais complexas que você pode imaginar, porém, ele também é uma ótima ferramenta que te ajudar nas tarefas simples do dia a dia.

Um exemplo, é a função Soma.

Em quase 100% das planilhas que trabalhamos, é preciso somar os números. Se você está fazendo as somas na calculadora e digitando de forma manual na sua planilha, saiba que existe um processo muito mais rápido e fácil!

Não se preocupe! Eu vou te ajudar. Você vai aprender a somar no Excel hoje!

Outra situação é quando precisamos realizar uma soma que não é tão simples de se fazer de cabeça. Então fazemos na ponta do lápis ou usamos uma calculadora. Não há nenhum problema em utilizar esses recursos, afinal existem pessoas que conseguem fazer contas longas de cabeça. Mas para a maioria de nós, precisamos de uma ferramenta para nos ajudar.

Por onde passo, nos cursos que dou em empresas, sempre digo para as pessoas que quando chegarem na empresa, a primeira coisa a se fazer é deixar o Excel aberto, porque quando uma situação ocorre, você já está com a ferramenta aberta.
[Vídeo Aula] Como fazer soma no Excel

Para facilitar o seu aprendizado, eu gravei uma vídeo aula sobre a função Soma. Tenho certeza de que você vai gostar! Para mais vídeos, assine o nosso canal.

Aprenda também:
– Como fazer SOMASE no Excel
– Aula passo a passo sobre Procv e Proch
Agora é com você!

Você gostou dessa aula? Sim? Não? Mais ou menos?
Quero saber sua opinião! Deixe seu comentário abaixo que eu respondo pessoalmente.
Com certeza você conhece um amigo que precisa desse conteúdo. Compartilhe com ele 🙂
Deixe seu comentário

Como montar uma planilha no excel

índice.png

Artigo básico para iniciantes…

Se você não tem familiaridade com o Excel, vamos estudar algumas ferramentas que possibilitam a montagem de uma planilha não só adequada tecnicamente, mas também visualmente bem apresentável. O Excel possibilita mil e uma maneiras de formatação.

Vamos estudar algumas delas:
Excel: abrindo novo arquivo

Quando você abre o Excel você pode escolher entre um arquivo novo, um modelo ou pode abrir algum arquivo já montado. Como estamos iniciando um novo arquivo, escolha Em branco:

1 – criar uma planilha no excel

Note que o mouse está localizado na primeira linha da primeira coluna e, logo acima dele, a referência de sua localização, A1. Sempre que movimentar o mouse, a referência lhe mostrará onde ele está. A planilha que se abre tem o seguinte aspecto:

2 – criar planilha no excel

Veja que não se trata somente de uma planilha, é um arquivo que já contém 3 planilhas, denominadas Plan1, Plan2 e Plan3. Se você precisar que o arquivo contenha mais planilhas, é só clicar sobre uma delas com o botão direito e escolher a opção Inserir. A janela também apresenta outras opções, veja abaixo:

3 – montar uma planilha no excel

A quantidade de planilhas que pode ser inserida pode variar, dependendo da memória do computador. Mas não precisamos exagerar. Vamos trabalhar apenas com estas.
Excel: inserindo informações

A melhor maneira para começar a montar a planilha é inserindo as informações que você precisa no cabeçalho (a primeira linha). Vamos imaginar que você está montando uma planilha de controle de caixa, entradas e saídas, e quer que a planilha apresente o resultado do saldo do caixa diariamente.

Mude primeiro o nome da planilha para Caixa (clicando duas vezes sobre o antigo nome, Plan1, e renomeando. Nas colunas de A até E, coloque os títulos que servirão de cabeçalho, como na figura:

4 – como montar planilha no excel
Excel: formatando colunas e linhas

Agora você pode formatar as colunas ou linhas, como preferir. Para ampliar a largura, é só levar o mouse até a divisão entre as colunas e ampliar a largura. Se quiser mudar a altura da linha, vá até a coluna de linhas e faça o mesmo. Outra opção é clicar com o botão direito no nome da coluna ou da linha e selecionar o que deseja fazer:

5 – montar planilha exel

Você pode também formatar células selecionadas com o botão direito do mouse e escolher entre as opções que se abrem na janela:

6 – como criar uma planilha no excel

Aqui podemos escolher entre formato de número, alinhamento, fonte, borda, preenchimento e ainda proteger as células que queremos. Vamos centralizar o cabeçalho e dar-lhe a fonte Negrito, para que fique mais visível.

Vamos agora formatar as colunas, para que você não tenha problemas quando for inserir informações. Selecione a coluna A com o botão direito e escolha Formatar Células. Na guia Números, escolha Data e escolha o formato que achar melhor:

7 – como montar uma planilha

Faça o mesmo com a coluna Doc, escolhendo Número e selecionando Geral. Nas colunas Entrada e Saída, escolha Número e selecione Moeda. No caso destas duas últimas colunas, basta que você selecione a coluna de Entrada e leve o mouse até a coluna de Saída, assim poderá facilmente formatar as duas ao mesmo tempo.
Excel: criando bordas

Para que esteja visualmente mais organizado, chegou a hora de criar as bordas das células que você vai utilizar.

Na barra de ferramentas, ou com o botão direito do mouse, depois de selecionar as células que quer formatar, escolha Bordas e clique sobre a borda escolhida. Todas as células selecionadas apresentarão a borda e você terá uma planilha como na figura:

8 – criando planilhas no excel
Excel: colorindo as células

Deixar a planilha com um visual colorido, mais do que bonito é também bastante útil para você se localizar em colunas ou para destacar aquelas que acha necessárias.

Para colorir as células, vá até a barra de ferramentas e selecione o Preenchimento (o baldinho de tinta) e escolha a cor ou as cores que deseja dar à planilha. Você pode selecionar as células desejadas e colorir da maneira que quiser.

9 – montando planilhas no excel

Pronto. Sua planilha está pronta para ser usada. Veja como ficam os primeiros lançamentos, automaticamente formatados sem que você precise se preocupar em saber se são datas, números ou moeda:

10 – montar planilha no excel

Até o próximo artigo!